Por Marina Pereira, G1 Grande Minas

Condutor de 71 anos é inabilitado; acidente foi na Avenida São Judas, em Montes Claros, e uma mulher permanece internada em estado gravíssimo.

O motorista que provocou um acidente na Avenida São Judas em Montes Claros, nesse domingo (28), foi autuado por lesão corporal culposa e homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A informação foi confirmada pela Polícia Civil, em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (29). O condutor, de 71 anos, estava embriagado e bateu de frente com uma motocicleta. A piloto Audilene Alves Felipe dos Santos, de 36 anos, morreu e uma amiga dela, que estava na garupa, permanece internada em estado gravíssimo.
“Em depoimento, o condutor afirmou não se lembrar dos fatos e disse que tinha Carteira Nacional de Habilitação de outro estado e que o documento estava vencido, porém, em pesquisa no banco de dados da Polícia Civil não foi encontrado nenhum registro de CNH. Ele foi encaminhado ao Presídio Regional de Montes Claros e pode pegar até 9 anos de prisão”, explicou o delegado Jurandir Rodrigues.
A perícia esteve no local do acidente e um laudo deve ser concluído em 10 dias. A Polícia Civil informou que vai acompanhar a evolução do quadro de saúde da vítima que está internada e ela deve ser ouvida posteriormente. Uma testemunha também será ouvida no inquérito.
O acidente

Audilene Alves teve múltiplas fraturas e morreu no hospital (Foto: Facebook/Divulgação)

Audilene Alves Felipe dos Santos transitava pela Avenida São Judas com uma amiga na garupa, quando o condutor invadiu a contramão e bateu de frente na motocicleta. Ela teve múltiplas fraturas, foi socorrida pelo Samu e morreu no hospital. A jovem de 23 anos que estava na garupa teve fratura exposta no punho esquerdo e traumatismo crânioencefálico. Ela permanece internada em estado gravíssimo.
Segundo familiares, Audilene saiu do Bairro São Judas e estava indo levar a amiga na casa da mãe dela no Santo Inácio. “Já tinha mais de 5 anos que ela comprou essa moto e nunca sofreu nenhum acidente. Ela sempre andava devagar”, disse a prima, Gilvacir Rosa de Jesus.
Audilene era casada e deixou dois filhos, de 10 e 18 anos. “Nós queremos que a Justiça seja feita. Isso foi uma negligência. O motorista saiu bêbado e não se importou com a própria vida e nem com a vida dos outros”, desabafou.
O corpo de Audilene Alves será velado na tarde desta segunda-feira (29) e o enterro está previsto para terça.

Comentários no Facebook